Orla cantada de encantar até Itapuã

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

Esta viagem tem vários pontos muito comoventes. São locais de visita que vi, sonhei e cantei a vida inteira. Este passeio pela orla cantada de encantar até Itapuã era um deles!

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

Saímos do Centro Histórico de Salvador ao início da tarde em direção à orla.

Eu, o Helmut, a Rosa e o Friedrich, guiados pelo motorista indicado pela pousada, o Fábio. Ele viria a tornar-se num companheiro de viagem, agora como depois, e, por isso, mais uma vez sou agradecida!

Tornou-se um amigo. O Fábio!

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

Fomos seguindo a orla, a marginal, começando na Praia da Barra. Avistando o Farol, onde Salvador se transforma numa mulher de curvas elegantes e cabelos dourados, que bela é!

São cinquenta quilómetros de mar atlântico e areias douradas, as praias sucedessem umas às outras. Ondina, com seus belos hotéis. Rio Vermelho,  santuário de Iemanjá e dos Orixás do Candomblé. Amaralina, com um calçadão para caminhada ou corrida, vários quiosques de água de coco e uma vista agradável.

Pituba, uma massagem com o barulho do mar, azul do céu e coqueiros, é lá que se encontra. Jardim de Alah, onde as ondas impõe respeito lançando-se atrevidas contra as rochas. Boca do Rio, lugar de inspiração de meu Caetano e Gil, a verdade é que está um pouco esquecida. Piatã, para famílias e crianças.

E a eternamente cantada, Itapuã, que é linda e até meio deserta.

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

Agora que percorreremos a Orla cantada de encantar até Itapuã. Iamos parar!

Paramos na barraca de praia Bora Bora, próxima do famoso hotel Catussaba, uma delicia! Bem pitoresca, sossegada, frequentada por gente bonita e excelente para uma água de coco ou uma caipirinha ao fim da tarde.

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

A tarde segue serena, entre três improváveis companheiros de viagem, mas este factor surpresa é uma das maiores aprendizagens que eu levo desta aventura.

Viajar sozinha abriu-me um mundo que, de repente, se curva aos meus pés, disponível e em comunhão.

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

O pôr de sol chega e o espectáculo da natureza impõe-se sobre tudo e todos e faz-se silêncio, contemplando.

Tarde em Itapuã

Vinicius de Moraes

Um velho calção de banho
O dia pra vadiar
Um mar que não tem tamanho
E um arco-íris no ar
Depois na praça Caymmi
Sentir preguiça no corpo
E uma esteira de vime
Beber uma água de côco

É bom
Passar uma tarde em Itapuã
Ao sol que arde em Itapuã

Ouvindo o mar de Itapuã
Falar de amor em Itapuã

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

Não tive o ímpeto do banho e, por isso, não entrei no mar. A Rosa e o Friedrich queriam tomaram banho em águas calmas. Assim regressamos a Piatã, cenário idílico com o mar dourado pelo sol, que se deitava, e sereno, como os fins de tarde devem ser. Eu, o Helmut e o Fábio ficámos no calçadão e, logo fomos abordados por uns locais, que por ali estavam sentados a ver o mar e a tomar chope gelado.

Tinham estado a apreciar os gringos mas perceberam que eu não era como eles. Acharam até que era brasileira.

Ah, portuguesa! Não parece, não!

Portugal é lindo! Até muito parecido com Salvador, né?

Um dia vou na Europa! Eu até falo um chiquinho de inglês, aí é mais fácil, é não?

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

Trocavam entre si e connosco. Partilhamos os chopes, as conversas, o samba, as ideias, o charme, tão natural por estes lados.

A nós, juntou-se a Rosa, que adorou a água quente, e o marido, que para espanto de todos tirou um robe de seda que vestiu e assim bebeu e deu risadas com os brasucas.

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

Ainda tivemos tempo de beber um caldo de camarão que Toninho, homem jovem mas acabado, que tomava conta de sua mãe, vendia em copinhos de plástico e que era bom, forte e reconfortante!

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

Deixamos-nos estar até à hora marcada para o nosso jantar, marcado e recomendado, na Casa de Tereza.

Instalado num casarão antigo, no Rio Vermelho, a decoração é muito acolhedora e eclética. No piso inferior, uma mercearia tradicional, a Vendinha de Samuel e Totó, é uma perdição.

Na sala de jantar, um piano embala o ar e todo o ambiente descontraído mas de muito cuidado e atenção fazem-nos sentir em casa.

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

Um dos melhores restaurantes que fui e com a verdadeira, típica e deliciosa.

Começou com uma cesta de “beijus” de massa e de goma, avoador, pão da casa e degustação de manteigas aromáticas, seguido de bolinhos de feijoada com couve, para terminar com a moqueca em trilogia de peixe, polvo e camarão que estava de chorar por mais.

Tudo muito, muito bom!

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

 

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

A noite acabou com uma sensação de dever cumprido … todas as sensações vividas tinham sido muito intensas e eu estava sozinha com quem se atravessava no meu caminho!

Serena, olhava as estrelas, a pensar, que a vida que se vive é sempre muito melhor que a vida sonhada!

ORLA CANTADA DE ENCANTAR ATÉ ITAPUÃ

No dia seguinte, partiria logo a seguir ao almoço para o Rio de Janeiro.

A minha breve e intensa visita a Salvador estava a chegar ao fim. Teria tempo para um almoço simples, no fundo da rua, no Bar do Ulisses.

Comida de buteco, simples e muito bem feita. Despedi-me de Salvador de barriga cheia e muito satisfeita com uma carne seca amparada de puré de abóbora e pirão de aipim brindados com castanhas de caju e linguiça.

A não perder!

 

 

0 thoughts on “Orla cantada de encantar até Itapuã

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *