Brasil, Viagens

Onde se encerra Salvador

Elevador Lacerda Vista

Bahia de todos os santos,
De São Salvador
De Mãe Menininha do Gantois
Quem vem de lá
Sente saudade
Do paladar
E da brisa do mar de Ondina
Sol de Amaralina
Da pele morena e do vatapá

A lua de “São” Jorge Amado
Da cor do pecado
De cravo, canela e jasmim
Flutua no céu da Bahia
De noite e de dia
Na paz do Senhor do Bonfim

Na Baixa do Sapateiro
Encontrei você
No calor da folia do carnaval
Me olhou, me sorriu, me fez um sinal
Dizendo que era do Abaeté

Mas seu corpo dourado de Itapoã
Tinha um cheiro gostoso
Flor de maçã, meu amor
Iaiá, Ioiô, Iaiá…

Céu da Bahia de Caetano Veloso

Elevador Lacerda Eu

O passeio começou no Elevador Lacerda, bem no Centro de Salvador, de onde se via o Mercado Modelo e a Bahia de Todos os Santos. Aqui começa e se encerra Salvador, diz-me o guia imprevisto, Silval, profissional desta andanças desde moleque.

Baianas

E sem guia, mas com guias, aproximam-se as baianas de plantão. Sorrindo!

Aqui tudo se sente de forma intensa, aqui não se precisa ver para crer, aqui o que é de lá vem p´ra cá e não precisa de explicação, aqui tudo tem um jeito especial de ser!

Mesmo que para ganhar um trocado se sorria de sorriso rasgado, não se enganem, sorriem de bom grado e satisfação e ganham os cobres na mesma!

Com as suas trezentas e sessenta e cinco igrejas, Silval escolheu por mim a Igreja de São Francisco, homenagem ao meu filho, no Largo do Terreiro de Jesus, também a há de Santo António (que fica para uma próxima visita), e lá me desfiou o rosário barroco de toda a história ostensiva do ouro, das cargas de madeiras nobres, da angariação dos donativos … a Igreja de São Francisco é  uma das Sete Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo, e junto com todo o Centro Histórico de Salvador, Património da Humanidade da UNESCO.

Seguimos pela calçada, apreciando eu, as ruas e as casa coloniais, relatando ele, as curiosidades das gentes como ele. Menino de Rua, vivia mendigando atrás dos gringos, adivinho que possivelmente subtraindo, até se tornar guia oficial, já lá iam uns quarenta anos. Não tinha salário fixo, ganhava o que lhe pagavam pelo tour sabido na ponta da língua e garantia que durante aquelas duas horas nada de mal me acontecesse.

Céu de Salvador

Com o céu coberto de nuvens e o calor e a humidade a apertarem refugiei-me de novo na Casa de Jorge Amado.

CFJA

Queria, na verdade, ir à sua casa no Rio Vermelho, onde viveu com Zélia, sua mulher e onde toda a sua vida ainda se encontra exposta. Sei que cá vou voltar, por isso sereno e usufruo.

A barriga dava horas e paramos para almoçar num boteco de primeiro andar que não nos acrescentou nada, mas que nos reconfortou para continuarmos.

IMG_8309

Desci ao Mercado Modelo para fazer compras de artesanato local.

Mercado Modelo

Comprei as tradicionais e coloridas fitas, abençoadas, para as distribuir por quem é de bem, as crianças e outros que não sendo ainda o sabem ser, e um Santo António e um São Francisco! As minhas lembranças desta longa viagem!

O dia passou ainda pela orla mas o cansaço fazia-se sentir e queria chegar a casa. Queria parar e apenas receber todo aquele milagre!

Bahia gente

E assim estive em Salvador! Certa de ser mais eu!

mh

Gostou? Que bom! Deixe um comentário. Até breve!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s